Maio Laranja: MPSC disponibiliza curso para qualificar escuta de crianças e adolescentes em situação de violência

Identificar, escutar e proteger: o enfrentamento das violências na rede de proteção” é o curso desenvolvido pelo MPSC para profissionais que trabalham direta ou indiretamente com a área da infância e adolescência.

Maio é o mês alusivo ao enfrentamento e prevenção ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes. Conhecido como maio laranja, é o mês destinado a sensibilizar a sociedade a respeito da gravidade e atenção a este tipo de crime. Visando qualificar a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência, permitindo que os profissionais que trabalham direta ou indiretamente nessa área atuem com segurança e evitem a revitimização desse público, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) disponibiliza o curso on-line “Identificar, escutar e proteger: o enfrentamento das violências na rede de proteção”.

O curso é oferecido pelo Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (CIJE) e pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF) do MPSC. Com orientações para qualificar a escuta de crianças e adolescentes em situação de violência, a formação busca mostrar caminhos para que os profissionais que trabalham direta ou indiretamente nessa área atuem com segurança e evitem a revitimização desse público.

Todo o conteúdo é orientado pela Lei da Escuta Protegida (13.431/2017). A lei é um marco na proteção de crianças e adolescentes e estabelece o sistema de garantia de direitos desse público vítima ou testemunha de violência.

Entre os tópicos abordados nos cinco módulos do curso estão a definição de violência contra crianças e adolescentes, as diferenças entre depoimento especial e escuta especializada e a apresentação de conhecimentos sobre a sexualidade na infância e adolescência, as narrativas e vivências de violência e o desenvolvimento humano.

Além disso, os participantes poderão conferir mais sobre a conjuntura e as motivações da Lei 13.431/2017, conhecendo, também, mais sobre formas de expressão e relatos da violência por crianças e adolescentes.

Para se inscrever, o público deve fazer o cadastro no site do CEAF Virtual pela opção “Nova conta”, na página principal do portal, confirmar o “Termo de Uso do Portal – CEAF Virtual” e acessar este link.

Atuação do CIJE para a aplicação da Lei 13.431/2017  

A capacitação on-line “Identificar, escutar e proteger: o enfrentamento das violências na rede de proteção” é uma das iniciativas do CIJE para que a legislação seja cumprida.

Desde que a lei entrou em vigor, há seis anos, o CIJE busca aprimorar suas ações para garantir que os direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência sejam respeitados, segundo os princípios da intervenção mínima e precoce e por meio do atendimento qualificado e protetivo.

No Grupo de Trabalho Estadual Interinstitucional sobre o sistema de garantia de direitos das crianças e adolescentes vítimas e testemunhas de violência (GARANTE), o CIJE realiza, com outros órgãos e instituições, orientações, materiais, modelos de documentos e vídeos informativos para as redes de proteção dos municípios catarinenses. Além do MPSC, compõem o grupo de trabalho a Associação Catarinense de Conselheiros Tutelares, a Secretaria de Estado da Saúde, a Secretaria de Estado da Educação e a Secretaria da Assistência Social, Mulher e Família.

Além da formação a distância, ofertada de forma contínua desde abril deste ano, o centro de apoio realizou, em 2022, cursos com profissionais responsáveis pela escuta especializada em Florianópolis, em São Miguel do Oeste e de multiplicadores em sete regiões do estado.

Maio Laranja 

O Maio Laranja surgiu a partir de um caso brutal ocorrido em 18 de maio de 1973 em Vitória, no Espírito Santo. Na época, uma menina de oito anos chamada Araceli foi sequestrada e sofreu violência sexual, além de ser drogada e assassinada. Os três réus acusados foram absolvidos em 1991.

Diante do caso, entidades de proteção e sociedade civil mobilizam indignação e isso fomentou a criação do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual e Comercial de Crianças e Adolescentes. A data foi sugerida para 18 de maio, dia do assassinato de Araceli, tornando-se oficial nos anos 2000, com a aprovação da Lei Federal 9.970/2000.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC

Últimas notícias

O Criciúma Esporte Clube recebeu o Laudo de Salubridade

O Criciúma Esporte Clube recebeu o Laudo de Salubridade,...

Faleceuaos 95 anos o Sr. Pedro Correa Nunes

Faleceu hoje dia (18) a 00:10 no hospital de...

Meia deixa o Atlético Tubarão uma semana depois de ser anunciado

Ele recebeu uma proposta do Ferroviário (CE), que disputa...

Agricultor de 74 anos colhe batata-doce gigante em Alto Bela Vista

O agricultor Ivo Kossian, de 74 anos, colheu uma...

Governo de SC vai lançar projeto para abrigar desalojados do Rio Grande do Sul

Segundo dados da Assistência Social, aproximadamente 400 famílias já...

Notícias Relacionadas