Em aldeia de Imaruí, Cevid apresenta cartilha sobre a Lei Maria da Penha em guarani

A Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Cevid), do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), promoveu, na última sexta-feira (22/3), um encontro na aldeia Tekoá Marangatu, em Imaruí

Lá foi apresentado a cartilha traduzida para a língua guarani sobre a Lei Maria da Penha e os tipos de violências contra a mulher.

A desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho, coordenadora da Cevid, afirma que a coordenadoria ficou muito satisfeita com o acolhimento que recebeu do cacique Daniel Kuaray, na comunidade do povo indígena de Imaruí. “Estivemos na comunidade, com a equipe da Cevid e a juíza da comarca de Imaruí, para divulgação da cartilha Lei Maria da Penha traduzida para o guarani. O cacique Daniel chamou todas as mulheres e os homens para participarem e houve muita receptividade e acolhimento”, afirma a desembargadora. A juíza Naiara Brancher, cooperadora técnica da Cevid e a juíza Ana Luisa Schmidt Ramos, titular da Vara Única da comarca de Imaruí, também participaram do encontro.

Para a juíza Ana Luisa Schmidt Ramos, foi uma honra e alegria ter sido convidada pela Cevid para participar desse relevante projeto no enfrentamento da violência doméstica no contexto das mulheres indígenas. Segundo ela, foi um grande desafio e aprendizado. “Fizemos muitas rodas de conversa, tanto com as mulheres, com as cacicas, como também com as lideranças homens das três etnias de nosso Estado de Santa Catarina”. A magistrada explica que as protagonistas de todo o processo foram as próprias mulheres indígenas. “Por tudo isso, levar o produto de tão bonito trabalho, feito por elas e para elas, à aldeia Tekoá Marangatu, de etnia guarani, localizada em minha comarca de Imaruí, foi de grande emoção”.

As assessoras da Cevid, Cibelene Piazza Ferreira e Roselene Silveira também acompanharam o encontro em Imaruí, que faz parte da programação da campanha informativa Março é Delas, da Cevid, sobre as mulheres e seus direitos, com atividades durante todo o mês de março.

Idealizada pela Cevid do TJSC, em parceria com o Conselho Estadual dos Povos Indígenas (CEPIn) e apoio do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), a ação faz parte do projeto Lei Maria da Penha e as Mulheres Indígenas, que tem como objetivo promover o acesso dos povos indígenas a informações sobre o direito das mulheres de viverem em ambientes sem violência.

 

Jornalista Fernanda de Maman

Núcleo de Comunicação Institucional
Comarca de Criciúma

Últimas notícias

Comitiva de Imbituba está na maior feria de turismo da América Latina

Imbituba está representada por um grupo dirigido pela Secretaria...

Mutirão da campanha Castração é a Solução realiza 267 procedimentos no final de semana em Criciúma

Iniciativa tem como objetivo reduzir a quantidade de animais...

PM resgata cães e gatos em situação de maus-tratos em Treviso

Na manhã de segunda-feira, 15, a Polícia Militar de...

Juventus recebe R$ 1,5 milhão de emenda parlamentar para investir na base

O Juventus ganhou mais uma ajuda para o fortalecimento...

CBF afasta três árbitros após a 1ª rodada do Brasileirão

As polêmicas logo na primeira rodada do Campeonato Brasileiro...

Notícias Relacionadas