Brasil perde cerca de R$ 21 bilhões por ano com mortes em acidentes de trânsito, analisa CLP

Na soma dos últimos oito anos, o custo de vidas pedidas chega a R$ 251 bilhões; quadro poderia ser revertido com medidas para trânsito seguro

Os acidentes de trânsito impactam na sociedade, com vidas perdidas, famílias desfeitas e comunidades afetadas. Além dos custos humanos dos acidentes de trânsito, há também custos econômicos significativos, que incluem despesas médicas, perda de produtividade e os associados aos danos materiais.
Estudo recente do Centro de Liderança Pública (CLP) mostra que o Brasil perde anualmente cerca de R$ 21 bilhões com mortes em acidentes de trânsito, o que representa 0,2% do PIB em 2023. O levantamento também mostra que, ao contabilizarmos os últimos oito anos, o custo econômico de vidas pedidas chega a R$ 251 bilhões – uma média de R$ 800 mil por indivíduo.
O custo econômico das perdas de vidas no trânsito foi calculado a partir do modelo desenvolvido por órgãos internacionais que considera dois critérios: a sobrevida esperada (anos que viveriam se não tivessem morrido) e a trajetória esperada de renda se o acidente não tivesse acontecido.
A organização identificou que os homens têm quatro vezes mais chances de perderem a vida em acidentes rodoviários que as mulheres. Já a idade média daqueles que vêm a óbito nesse tipo de acidente é de cerca de 41 anos para homens e 42 anos para mulheres – e a sobrevida destes é de 36 e 40 anos, respectivamente.

A nota técnica analisa o período de 2012 até 2023, com dados mais recentes do DataSUS e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) de 2020.
Ao verificar números de mortalidade no trânsito, a nota comparou o Brasil com outros países. O país apresenta maior índice de mortalidade do que Colômbia, Chile, Uruguai e Argentina. Por outro lado, tem menos casos do que Venezuela, Paraguai, Bolívia e Equador.
“Os governos devem levar esses custos em consideração ao implementar medidas para melhorar a segurança viária, e têm a responsabilidade de abordar esse problema por meio da implementação de leis de segurança, melhorias na infraestrutura, campanhas de educação pública e medidas de fiscalização”, afirma a nota.

Apesar de ainda estar distante dos países desenvolvidos, o Brasil, desde 2014, apresenta redução das mortalidades nos transportes, revertendo a tendência de crescimento que vinha desde o ano de 2000.
Regiões brasileiras
De acordo com o Ranking de Competitividade dos Municípios de 2023, elaborado pelo CLP, o Centro-Oeste foi proporcionalmente a região com maior número de acidentes de trânsito com mortes. Neste caso, 57,14% das cidades apresentaram mortalidade acima de 20 por grupo de 100 mil habitantes. Na sequência, está o Norte (44,74%), Nordeste (42,22%), Sul (38,57%) e, por último, Sudeste (20%).
‌‏

Fonte: GBR Comunicação
Larissa Lima

Últimas notícias

Campanha busca fortalecer setor de exportação

A campanha tem dois eixo A ApexBrasil lançou uma campanha...

Inspeção por câmera com IA auxilia exportação

“Os dispositivos da Hikrobot fazem uma inspeção minuciosa" Os avanços...

Farol de Santa Marta terá tour guiado com acesso ao topo de 17 a 23 de junho

Dos dias 17 a 23 de junho, das 9h...

Prazo para alistamento acaba em 15 dias

empo de permanência na Marinha, Exército ou Aeronáutica é...

Drogas são apreendidas em barreira policial no Farol de Santa Marta

A ação foi realizada durante barreira policial montada na...

Notícias Relacionadas