Câncer: pacientes começam a receber tratamento inovador em SP

Viva a ciência! Na próxima sexta-feira (15), em São Paulo, quatro pacientes vão participar de um estudo clínico que utiliza células CAR-T – um tratamento inovador contra o câncer no sangue

Nesse procedimento, os linfócitos, que são células de defesa, são isolados e modificados em laboratório para reconhecer e combater o câncer. Após esse processo, as células reprogramadas são reaplicadas no organismo.

Os resultados serão analisados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e se o estudo for aprovado, a expectativa é em 2025 a nova terapia seja disponibilizada aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Tratamento chegou ao Brasil em 2019

Desenvolvido nos Estados Unidos em 2017, esse tratamento chegou ao Brasil em 2019 através da colaboração da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP), Instituto Butantan e apoio da Fapesp.

O Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) será o local inicial para a aplicação desse tratamento inovador. Já a Fundação Hemocentro de Ribeirão e o Centro de Terapia Celular (CTC-USP) são os responsáveis pela pesquisa.

A expectativa é que até o próximo ano, 81 pacientes façam parte desse estudo.

Como é o procedimento

Os participantes terão uma quantidade de sangue colhida para que os linfócitos sejam isolados e modificados. Todo o processo leva de 15 dias a um mês.

Depois que estiverem internados, os pacientes vão receber as células em uma única sessão.

Serão 15 dias de internação para acompanhar os possíveis efeitos colaterais, resultado da inflamação provocada pelo tratamento.

Essa inflamação é um sinal de que a terapia deu certo, mas pode causar alguns sintomas, como febre, dor no corpo, queda de pressão e dificuldade respiratória.

Serão monitorados por 5 anos

Após 30 dias da infusão, os pacientes terão a primeira consulta para avaliar a eficácia do tratamento.

Mais testes serão realizados depois de 90 dias e todos os pacientes serão monitorados por cinco anos como parte do estudo.

O tratamento é específico para pacientes com leucemia linfoide aguda de células B e linfoma não-Hodgkin de células B que não responderam ou apresentaram recorrência da doença após tratamentos convencionais como quimioterapia e transplante de medula.

Antes e depois de paciente que recebeu a terapia CAR-T. - Foto: reprodução/arquivo pessoal

Antes e depois de paciente que recebeu a terapia CAR-T. – Foto: reprodução/arquivo pessoal

 

Espalhe notícia boa!

Últimas notícias

Síndrome da fadiga crônica atinge mais mulheres e quem teve Covid ou dengue

No Brasil, o Ministério da Saúde não tem dados...

Equipe de Tubarão brilha no Brasileiro de Karatê

Neste final de semana, a cidade de Joinville foi...

Jaraguá Futsal amassa o Corinthians e sai na frente na 1ª fase da Copa do Brasil

Na teoria, equilíbrio. Na prática, domínio total aurinegro. Em...

O Tigre realizou um treino técnico e tático na tarde desta segunda-feira

O Criciúma terá pouco tempo de preparação até entrar...

Suicídio: o preocupante aumento da taxa entre crianças e jovens e a importância de falar sobre o tema

No período de 2011 a 2022, observou-se um crescimento...

Notícias Relacionadas