Memórias de Tubarão: Maior tragédia do Município foi destaque na imprensa nacional

No dia 24 de março de 1974, Tubarão foi assolada pela maior catástrofe de sua história recente. A enchente daquele dia deixou centenas de famílias desabrigadas e muitas pessoas perderam suas vidas durante a inundação

A tragédia que destruiu a cidade foi amplamente registrada, especialmente pelo fotógrafo Amadio Vettoretti, que se tornou historiador e um dos maiores conhecedores dos fatos que marcaram um dos momentos mais tristes vividos pelos tubaronenses.

Canais de rádio e de TV, revistas e jornais divulgaram a tragédia. Por meio do trabalho da imprensa, o país inteiro foi informado e, isso, inclusive, despertou a solidariedade dos brasileiros e muitos itens, como alimentos, roupas, colchões, entre outros gêneros foram enviados para Tubarão de diversas partes do Brasil.

Contudo, com sistemas de transmissão e meios de comunicação muito precários, nem sempre as notícias eram fiéis. O jornal O Globo, de 28 de março de 1974, trouxe como manchete “Nenhum sinal de vida em Tubarão, uma cidade morta”.

A frase, que virou título da matéria, é atribuída a dois repórteres do jornal que estiveram na cidade durante três dias e relataram que não havia sinal de vida. “…Até ontem falava-se, extraoficialmente, em mais de 1.500 mortos, mas esse número deverá aumentar à medida que as águas forem baixando”, diz um trecho da reportagem.

Na quinta-feira (28), a matéria do jornal O Globo completa 50 anos e é um exemplo dos inúmeros registros feitos pela imprensa durante e depois da tragédia. Uma cópia do exemplar daquele dia faz parte do acervo do Arquivo Público e Histórico Amadio Vettoretti, onde estão também diversos recortes de outros jornais e revistas, fotos e documentos sobre o desastre.

A reportagem traz um balanço da situação da cidade e da região, relata as ações de resgate e as providências que os governos municipal, estadual e federal tomaram para socorrer a população.

A rede Globo também produziu um documentário sobre o evento. “Globo Repórter Atualidade” foi exibido 20 dias após a catástrofe.

Oficialmente 199, corpos foram identificados, mas devido a tecnologia precária da época, não é descartada a hipótese de que mais mortes tenham ocorrido em decorrência da enchente.

————————————————————————————————————-

Com apoio do Arquivo Público e Histórico de Tubarão Amadio Vettoretti – Departamento da Fundação Municipal de Cultura

Pesquisa histórica: Jucinéia Torres Corrêa (Diretora) e Márcia Benedetti Ingracio (Monitora de Pesquisa)

Municipio de Tubarão

Últimas notícias

Comitiva de Imbituba está na maior feria de turismo da América Latina

Imbituba está representada por um grupo dirigido pela Secretaria...

Mutirão da campanha Castração é a Solução realiza 267 procedimentos no final de semana em Criciúma

Iniciativa tem como objetivo reduzir a quantidade de animais...

PM resgata cães e gatos em situação de maus-tratos em Treviso

Na manhã de segunda-feira, 15, a Polícia Militar de...

Juventus recebe R$ 1,5 milhão de emenda parlamentar para investir na base

O Juventus ganhou mais uma ajuda para o fortalecimento...

CBF afasta três árbitros após a 1ª rodada do Brasileirão

As polêmicas logo na primeira rodada do Campeonato Brasileiro...

Notícias Relacionadas